Tóquio é igual ao que vemos nos filmes: uma cidade intensa, vibrante, caótica!

Postado em 14/02/2017

Depois da minha primeira impressão com o país nipônico em Okinawa, chegar a capital foi o que mais me impactou nessa viagem.

Tóquio é igual ao que vemos nos filmes: uma cidade intensa, vibrante, caótica e sobretudo habitada, a mais povoada do mundo, uma megalópole que em sua área metropolitana vivem, mais de 35 milhões de pessoas.

Ao preparar uma viagem para uma cidade como Tóquio, surgem muitas dúvidas, que vão ficando cada vez mais confusas quando estudamos os planos de transporte da cidade, lembro que andar de metro era como estar em um quebra cabeça de tantas linhas e andares, tinha uma sensação de estar em um formigueiro embaixo da terra, subindo e descendo, buscando a linha correta. Miako-San (minha tutora) foi essencial para que essa viagem fluísse com harmonia.

Viajando para o Japão recomendo, estar com todas as informações necessárias organizadas (planos de transportes, mapas, guias locais, etc). Também vale a pena negociar algum roteiro guiado com profissionais especializados, assim você poderá aproveitar melhor o tempo, evitando ficar perdida pela cidade.

Nosso stop em Tóquio, foram de 2 dias, para visitar Monti Fuji e projetos de ecoturismo nessa zona. A principio imaginava que seria uma loucura, correndo de um lado para o outro, entre reuniões e com pouco tempo para visitar, não foi diferente!! Mas tinha que aproveitar todos os momentos.

Dos lugares que conheci e recomendo:

Akinabara: bairro da eletrônica, centenas de lojas com produtos novos e de 2ª mão (para eles, para nós do Brasil talvez sejam ainda bastante atuais). Perfeito para comprar, diferentes tipos de maquinas recreativas, uma verdadeira loucura, todo e qualquer tipo de vídeo e jogos.

Asakusa, Ueno y Shibuya: Templo de Sensoji, o mais antigo de Tóquio, construído no ano 628. Passear por Asakusa Dori, uma rua movimentada e cheia de lojinhas e restaurantes. Não deixe de visitar o famoso cruzamento de Shibuya, é o cruzamento, mas transitado do mundo, dizem que por ele costumam cruzar até 1 milhão de pessoas dia. Uma autentica loucura, quando o semáforo fica verde, em questão de segundos as pessoas invadem a avenida cruzando em todas as direções.

Minha despedida de Tóquio deixou um gostinho de quero mais e entrou na lista dos meus destinos favoritos, onde quero voltar com certeza. Pegamos o trem BALA direção Monte Fuji, uma experiência diferente, viajar em trem de alta velocidade. Não foi uma viagem longa, pois o monte esta vizinho a Tóquio, mas muito agradável e rápida.

O vulcão Monte Fuji, é o símbolo para os nipones, e o mais fotografado do pais. Pode ser escalado até o topo (leva de 6 a 8 horas), para os japoneses existe uma crença de que escalar o monte é algo que se deve fazer antes da morte. Não precisa subir até o topo para ter magníficas vistas, mas se você preferir, dispõe um serviço de teleférico e ainda na maioria dos hotéis se pode contratar excursões.

A ultima erupção do monte Fuji, foi a 3ª registrada e ocorreu em 1707, com inicio em 16 de dezembro e terminou em 01 de janeiro de 1708. Apesar de não ter produzido lava, expeliu para a atmosfera um grande volume de cinzas vulcânicas, que se estenderam por vastas áreas ao seu redor. O monte Fuji não voltou a entrar em erupção desde então.

Toda a área que contorna o vulcão, esta habitada e constitui uma zona agradável para a pratica do ecoturismo, com diversos projetos e uma variedade de atrativos, saindo de uma cidade como Tóquio, encontrar essa zona mais rural e com mais tranqüilidade foi uma surpresa bastante reconfortante.

Viajar para esse pais foi uma experiência transcendental na minha vida, como já comentei antes, depois de visitar tantos lugares lindos, senti que dentro de mim começava a crescer uma nova pessoa, sempre vou guardar no meu coração esse lindo pais e todas as emoções que vivi por aqui.

Recomendo viajar para o Japão para conhecer a generosidade do povo, viver uma cultura totalmente diferente e aprender alguns exemplos de cidadania que eles praticam diariamente. Não tenham medo de se arriscar e desbravem as fronteiras.


Deixe um comentário: